Movimentos de oposição à Ditadura Militar no Brasil

Principais movimentos, objetivos, resumo, história, bibliografia, luta armada, movimentos sindicais e estudantis, ligas camponesas.

Protesto de estudantes contra a Ditadura Militar no Brasil
Protesto de estudantes contra a Ditadura Militar no Brasil

 

Introdução

 

Durante a Ditadura Militar no Brasil (1964-1985) atuaram vários movimentos que faziam oposição ao regime vigente. Enquanto alguns eram pacíficos e orientados pelo ideal democrático, outros atuaram de forma violenta e defendiam a implantação de um regime ditatorial de orientação marxista pró-soviético.

 

Os principais movimentos de oposição ao regime militar no Brasil:

 

Movimentos de Luta Armada

 

Esse movimentos eram compostos por pessoas alinhadas ideologicamente ao marxismo. Grande parte desses grupos defendia uma revolução de caráter socialista, ao estilo cubano (ditatorial), no Brasil em substituição ao regime militar. É falsa a ideia de que esses grupos opositores lutaram em defesa dos valores democráticos. Queriam, na verdade, a substituição de uma ditadura de direita (capitalista) por uma outra de extrema-esquerda (socialista).

 

Esses movimentos violentos, praticavam terrorismo, e atuavam à margem da lei (praticavam crimes). Chegaram a roubar bancos e sequestrar diplomatas como estratégia de publicidade ideológica, obtenção de recursos financeiros e solicitação de libertação de presos políticos. Atuaram, principalmente, no começo dos anos 1970, durante o governo Médici.

 

Esse grupos guerrilheiros foram fortemente combatidos pelas forças militares brasileiras. Muitos guerrilheiros foram mortos, enquanto outros foram presos. A luta armada, embora tenha obtido alguns resultados favoráveis aos seus ideais, foi derrotada pelas forças do governo brasileiro.

 

Principais grupos de luta armada no Brasil:

 

- ALN (Aliança Libertadora Nacional): defendiam a derrubada do governo militar e a implantação de um governo popular revolucionário. Atuaram como guerrilha urbana. A ALN era composta por terroristas, assaltantes e guerrilheiros. A guerrilha era vista pelos integrantes como um instrumento de luta política. A base ideológica do grupo era o marxismo-leninismo. Um dos fundadores da ALN foi o guerrilheiro comunista Carlos Marighella.

 

- MR 8 (Movimento Revolucionário 8 de Outubro): grupo guerrilheiro de extrema-esquerda de ideologia marxista. Também queriam o queda do governo militar e implantação de um Estado socialista no país.

 

- VPR (Vanguarda Popular Revolucionária): grupo guerrilheiro revolucionário de extrema-esquerda. Lutaram contra o regime militar e pela instauração de um governo socialista no Brasil.

 

- Molipo (Movimento de Libertação Popular): grupo guerrilheiro e terrorista composto, principalmente, por universitários da cidade de São Paulo. Assim como os outros movimentos, também tinham como base ideológica o marxismo.

 

- VAR-Palmares (Vanguarda Armada Revolucionária Palmares): grupo armado de extrema-esquerda que lutou contra o governo militar. Defendiam a implantação da ditadura do proletariado no Brasil. Teve como um dos principais organizadores o guerrilheiro Carlos Lamarca.

 

- COLINA (Comando de Libertação Nacional): grupo de extrema-esquerda que atuou na guerrilha urbana e rural. Defendiam uma revolução comunista no Brasil, ao estilo da Revolução Cubana.

 

Movimentos Estudantis

 

Formados, principalmente, por estudantes de universidades públicas dos grandes centros urbanos. Atuaram em protestos, passeatas e ações culturais. Muitos dos integrantes possuíam um alinhamento ideológico com o marxismo, embora a bandeira de grade parte desse movimento fosse o retorno da democracia ao Brasil.

 

Ligas Camponesas

 

Também de orientação comunista, lutaram contra o governo militar e por melhores condições de vida no campo, incluindo a realização da Reforma Agrária. Foram reprimidas logo na fase inicial do regime militar.

 

Movimentos Operários

 

Eram comandados, principalmente, por líderes sindicais das indústrias dos grandes centros urbanos. Participaram de protestos e manifestações. Discordavam do regime militar e do sistema capitalista. Seus principais líderes eram alinhados ideologicamente com o socialismo. No final da década de 1970, realizaram greves (principalmente no ABC Paulista).